Welcome to the land of questions

A Arte De Reinventar - Ajuste Suas Antenas

"já me sinto feliz se as palavras tocam ou te fazem pensar nem que seja por 1 segundo apenas, isso mostra que a mensagem foi lançada ao mar numa garrafa e chegou onde deveria chegar no coração de alguém que entendeu essa loucura que é o amor "
"Palavras que queimam na minha boca, Derreterão dentro de seus ouvidos"

domingo, 14 de março de 2010

(Walls) (((d-_-b)))

I speak pras walls (people)
And they listen to me
And I'm angry
Silently
And some cracks

Cry pras walls (people)
And they stare at me
And choke
Between peeling
And dirt

I speak at people (walls)
And they're avoiding me
And I'm tired
With mania, and some implications

Scream at people (walls)
And they snub me
And flatter
Between interests
And passions

More of the throat that does not tire
The voice reaches a time without end
And the dead leaves on the ground
- From another station --
Are still beautiful
Are still perfect
Are still (forever)

Failing that failure is(((d-_-b)))

Again, things are out of place
When then, I begin to feel at home ...

And if the desire is a disorder
A "hands up, stay where you are!"
Quietly I gather,
I choose to shut me up

Again, your eyes should report me
How not to repair I delay?

And if the desire is a disorder
A "hands up, stay where you are!"
Quietly I gather,
I choose to shut me up

And nothing will belittle everything that we are still
Surely we assume
But life outside
Tá now calling
And do not delay!
Who offers more?
Failing that failure is

A Você Meu Desassossego (((d-_-b)))

Incendiando tudo ao meu redor
Incendiando minha vida
Eu só observando a natureza dessa chama
que inflama, se alimenta com seu ar
Ar que me falta, que me esgota
toda vez que você chega
mas não chega
e me trata com desdém
também nem bem me conheceu

Me esforço, me lanço
me queimo no fogo
Insisto, resisto
Invisto no jogo
Sem cartas na mesa
certeza nenhuma

Era, Amar ela


Meu Desassossego "A Você" (((d-_-b)))

Cumpro a sentença e compenso o que a cela do meu coração limita.
Peço licença de meu senso e me faço visita.
Me conto como está um antigo amigo inventado,
Confesso a saudade de estar comigo ao meu lado
Sem recompensa, um clima tenso, a pena me irrita..
Mas não faz diferença, me convenço e cancelo a visita.
Me dou um bolo sem nenhum sabor,
Bolo um plano de fuga à prova de dor e
Tento cavar um túnel que me leve de volta
Ao mundo que me prendeu sem saber ao certo se era eu naquele instante.

Brigo pelo estopim de um motim, de uma fuga em massa
Uma rebelião qualquer que me devolva a graça
E o sol quadrado não aquece, já não amanhece o brilho que existia em meus olhos
Naquele instante,
Diante da chance de roubar um pouco de paz,
roubar um pouco de paz, preso por não ter sossego

O preço do meu apreço (((d-_-b)))

Não sou seu prêmio ou recompensa
sua sentença ou punição
Não sou seu grêmio, sua crença
Indiferença ou solução

Não sou relíquia ou raridade
a novidade da estação
Nem sua força de vontade
seu bicho de estimação
Não sou a mosca na sua sopa
nem a sujeira no seu chão
Ferida, mancha na sua roupa
Clube, parque de diversão

Mas sou aquilo que me der na telha
e que se assemelha
ao que você bem entender

Se me reconheço naquilo que quero
e me fortaleço num abraço sincero
Se me compadeço do que menos espero
e já não esqueço que o preço do meu apreço é arriscar

Breve Conto do Velho Babão (((d-_-b)))

" O Lobo "
Quis voltar o tempo
Não sabia envelhecer
O velho babão
Tinta no cabelo
Com sua ninfeta troféu
Farreava pra valer
Tinta no cartão
E quando nela gozava para idade diminuir
E enquanto isso ela ganhava o que desejava
Será possível encontrar alguma explicação
Pra crise de meio pau
Que tratava com doses de juventude da sua recheada carteira a seduzindo
As menininhas com idades de serem sua filha adolescente

" A Esperta "
Síndrome de Estocolmo
Vontade de peitar
Explicava em vão
Enquanto bebia sua dose "D"
E tentava ser e se convencer
Que aquilo era afeição
E quantas máscaras guardava
Pra fingir
Que não cobiçava, que naquilo acreditava
Outro "peitismo" "exibicionismo"?
Outra tola baseada em ismos!!!
Pra crise vaginal
Se escondia em outros
De verdadeiro nisso
Nem as mentiras ah frente

Chorava o leite derramado
A mesada perdida
Tudo que havia conquistado
Bens patrimoniais
Cursos profissionais
Bens da era digital
Agora
Sabia muito bem pra que
E na defesa de tudo isso
Um discurso muito bem decorado
Tinha orgulho do passado
Um passado que nunca esquecia
Toda vez que enlouquecia
Se esfregando pelos corpos
Doida de "P"

" O Lobo "
Até que um dia agonizou
Ajoelhado
Com a boca roxa
Enfartando e cheio de cançer na balada
E a galera
Achando o lance engraçado
Comentando:
"Olha o show do coroa, querendo tudo que deu a esperta de volta
Que piada"

Quiseram parar o tempo
Mais seus tempos acabaram

(((d-_-b)))

Ela está tão só
Eu estou também
Ela é tão bonita
E eu não sou ninguém
Eu já sei de tudo
Vi em seu olhar
Mas eu fico mudo
Quando vou falar

Ela é a lua
Vive a brilhar
Eu sou tão pequeno
Diante do luar
Por ela eu espero
Seu olhar imploro
Sonho com seu rosto
No meu colo

Por que tão linda?
Por que tanta beleza?
Seja bem-vinda
Minha princesa
Mas se é tão linda
Por que tanta tristeza?
No seu quarto escuro
Talvez eu seja uma luz acesa

(((d-_-b)))

Meu coração, bate sem saber
Que meu peito é uma porta que ninguém vai atender

Quem sente agora está ausente
Quem chora agora esta por fora
Quem ama agora esta na cama doente
Só corre nunca chega na frente
Se chega é pra dizer vou me embora
Sorriso não me deixa contente

E todas as pessoas que falam pra me consolar
Parece um bocado de boca se abrindo e fechando
Sem ninguém pra dublar
Eu já disse adeus antes mesmo de alguém me chamar
Não sirvo pra quem da conselho
Quebrei o espelho, torci o joelho, não vou mais jogar

Meu coração, bate sem saber
Que meu peito é uma porta que ninguém vai atender